Microagulhamento: A Arte de Microagulhar!

 

 

A técnica se chama terapia de indução de colágeno por microagulhamento e ficou conhecida popularmente como dermaroller (marca mais famosa que fabrica o aparelho utilizado), existindo no Brasil, outras marcas que também já possuem o registro da ANVISA.

 

A técnica é eficaz no tratamento da cicatriz de acne, estrias e rejuvenescimento.

 

As alternativas para tais problemas estéticos são muitas hoje em dia, porém com o microagulhamento o resultado aparece efetivamente em poucas sessões.

 

Como funciona?

 

A técnica de microagulhamento compreende promoção de milhares de micropunções com agulhas de mínimo calibre (0,5 a 2mm) sobre a pele sã.

 

Através destas micropunções, observa-se o desencadear de dois principais efeitos sobre o organismo:

 

1 – Criação de pequenos canais através da camada córnea da pele, aumentando em mais de 10.000 vezes a absorção dos produtos aplicados sobre ela;

 

2 – Produção endógena de colágeno e regeneração tecidual.

 

Ao ocorrer a agressão local pelas agulhas, estimula-se o processo inflamatório local, em paralelo ocorre ativação de fibroblastos que iniciam produção de colágeno e elastina novos.

 

Ainda em decorrência da agressão mecânica, há incremento da produção de substâncias vasodilatadoras locais, resultando em aumento do fluxo de sangue e, consequentemente, da oxigenação tecidual.

 

As aplicações devem ser realizadas entre 21 e 28 dias em função de este ser o tempo do ciclo de produção de novo colágeno (visto que este é o principal objetivo ao se utilizar a técnica).

 

Logo após o procedimento deve-se evitar o uso de cosmecêuticos e cosméticos (exceto àqueles orientados pelo profissional que realizou o procedimento) assim como deve-se evitar a exposição solar nos primeiros 3 a 5 dias.

 

O uso de fotoproteção é essencial, assim como em todas as outras técnicas de tratamentos estéticos (devemos lembrar que o uso de protetor solar deve existir independente de estarmos realizando qualquer que seja o tratamento).

 

Contraindicações:

 

Como em todo procedimento, há contraindicações com as quais devemos estar atentos.

 

Podemos citar a presença de lesões cancerígenas, verrugas, hiperqueratose solar, psoríase, infecção no sítio de aplicação (ainda que sejam lesões acneicas infectadas), herpes ou acne ativa, uso de anticoagulantes e distúrbios de coagulação.

 

Apesar de não ser contraindicação, evito o uso em diabéticos e imunodeprimidos em função da maior facilidade de adquirirem infecção.

 

Vantagens:

 

– Aumento da produção de colágeno;

 

– Suavização de cicatrizes;

 

– Realinhamento e restauração das ligações (pontes) antigas de colágeno;

– Preservação da epiderme durante o procedimento;

 

– Não causa dano permanente à pele;

 

– Pode-se controlar a dor durante o procedimento;

 

– Não causa sangramento importante;

 

– Baixo risco de infecção;

 

– Ausência de risco de causar discromias;

 

– Após 24-48 horas do procedimento, pode-se aparecer em público sem que se perceba a realização do procedimento.

 

Procure sempre um profissional habilitado para realizar o procedimento. 

 

 

Abraços e até a próxima!

Erika Rossetti

Esteticista | Palestrante | Colunista | Prof. de Especialização em Estetica e Cosmetologia

Facebook: https://www.facebook.com/erika.rossetti.33

 

 

 

Erika

Sobre Erika Rossetti

Esteticista | Palestrante | Colunista | Prof. de Especialização em Estética e Cosmetologia | Proprietária na empresa Erika Rossetti Estética | Trabalhou como Instrutora de Treinamentos e Supervisora de Atendimento na empresa Natura.