Gordura visceral ou subcutânea? Entenda as diferenças!

 

 

 

É bastante comum recebermos em nossos consultórios pacientes com queixas de gordura, sobretudo abdominal.  Na verdade, essa certamente é uma das maiores queixas, fato que tem aumentado cada vez mais a procura por tratamentos estéticos.

 

Apesar das pessoas estarem atualmente buscando hábitos de vida mais saudáveis, a população de obesos ou de indivíduos com sobrepeso cresceu consideravelmente nas últimas décadas, subindo de 28,8% para 36,9% entre os homens, e de 29,8% para 38% entre as mulheres, nos anos de 1980 a 2013 segundo estudo científico publicado na Revista The Lancet em 2014.

 

O fato é que grande parte desses pacientes procuram nos tratamentos estéticos a solução para os seus problemas com a imagem corporal.

 

Temos, porém, que diferenciar algumas particularidades, como por exemplo, a distinção entre a gordura visceral e a gordura subcutânea.

 

perimetro_abdominal_1

 

A gordura visceral se acumula entre os órgãos, logo abaixo dos músculos, e não é palpável.

 

Já a subcutânea se deposita abaixo da pele, acima dos músculos, e conseguimos pinçá-la entre os dedos.

 

A gordura visceral apresenta uma atividade metabólica maior que a subcutânea, podendo ser reduzida por meio de atividade física e dieta.

 

Por isso é mais fácil eliminar a barriguinha que o culote, por exemplo.

 

A gordura subcutânea geralmente necessita de tratamentos estéticos ou cirurgia plástica para ser reduzida de forma mais eficaz.

 

Por outro lado, a gordura visceral é a que mais afeta a saúde, uma vez que aumenta os triglicerídeos, podendo levar a um quadro de aterosclerose, elevação do colesterol ruim (LDL), e diabetes.

 

Portanto, a forma mais eficaz de reduzir a gordura visceral é através de hábitos de vida saudáveis, uma vez que a grande maioria dos tratamentos estéticos, incluindo a própria lipoaspiração não é capaz de alcançá-la.

 

Existe, porém, um equipamento chamado NARL, projetado há poucos anos no Japão para tratamento de gordura visceral.

 

Ele utiliza tecnologia ultra-sônica não invasiva e indolor, cujo princípio é a liberação do noradrenalina por meio da vibração dos adipócitos.

 

Esse hormônio auxilia na “emulsificação” da gordura, tornando-a disponível para que o organismo promova sua metabolização por meio de atividade física, a qual deve ser realizada logo após a utilização desse equipamento.

 

Trata-se, portanto, de um aparelho que auxilia na redução da gordura visceral, porém, só se mostra realmente eficaz com associação à atividade física.

 

Não existem, até o momento, outras metodologias na área da fisioterapia dermato-funcional ou da cirurgia plástica, que, sozinhas, reduzam esse tipo de gordura.

 

A gordura subcutânea, por sua vez, pode sim ser reduzida com auxílio de diversas técnicas /equipamentos, tais como ultracavitação, criolipóliseeletrolipólise, lipoaspiração, e demais recursos.

 

Porém, mesmo com comprovação científica de todos esses tratamentos, ainda assim é indispensável que o paciente realize atividade física e se alimente adequadamente, uma vez que as vias de metabolização da gordura, seja ela visceral ou subcutânea, só se tornam realmente eficazes utilizando todo esse conjunto, além de claro, melhorar a saúde geral do organismo.

 

Torna-se indispensável, portanto, que o profissional avalie cuidadosamente o seu paciente a fim de identificar e traçar o melhor tratamento, uma vez que para cada tipo de gordura existe uma abordagem diferenciada.

 

 

 

Elizete

Sobre Eliziete Abreu

Graduação em Fisioterapia pela Universidade Estadual do Piauí ( UESPI) | Especialização em Fisioterapia Aplicada á Traumatologia e Ortopedia pela Faculdade Integral Diferencial (facid) | Especialização em Fisoterapia Dermato – Funcional pelo Centro de Ensino Unificado de Teresina (CEUT) | Fisioterapeuta Efetiva do Hospital Regional de Campo Maior | Sócia do Mais Magra Espaço de Estética | Crefito 109346-F